eDoc sobre resolução de problemas da conexão de WiFi | NETSCOUT
White Paper

Resolução de problemas de Wi-Fi: Problemas de conexão

Introdução

Como profissionais de TI, todos nós encontramos as temidas reclamações sobre WiFi que não funciona. Você está tranquilamente trabalhando no escritório e, em seguida, alguém entra subitamente e começa a reclamar sobre não poder se conectar à rede sem fio, sobre a rede sem fio estar lenta, sobre sempre ser desconectado da rede sem fio, sobre não poder se conectar à Internet e assim por diante. Estas são queixas muito comuns e incômodas, pois descobrir a causa raiz destes problemas comuns de rede sem fio pode ser muito demorado e, às vezes, difícil. Ou será que não? É possível que resolver esses problemas comuns sem fio não seja tão difícil? Bem, na realidade, não é. Com as ferramentas certas e um pouco de conhecimento, encontrar a causa raiz dos problemas mais comuns de redes sem fio pode ser rápido e simples.

Nosso primeiro documento da série de sobre resolução de problemas Wi-Fi se concentra em lhe mostrar como solucionar, rápida e efetivamente, problemas de "conexão" ou, para ser mais preciso, problemas de conexão com a rede Wi-Fi, que não devem ser confundidos com problemas de conexão com um site específico ou endereço IP. A maioria dos usuários não vai saber a diferença e vai reclamar dizendo algo como "a rede não está funcionando. Não posso me conectar à internet".

Assim, neste artigo, vamos começar por mostrar como diferenciar problemas de conexão com Wi-Fi de problemas de acesso aos recursos da rede. Depois disso, vamos mostrar como identificar as causas mais comuns para problemas de conexão na rede Wi-Fi e vamos fornecer recomendações sobre como resolver esses problemas.

Vamos começar!

Identifique o problema

Antes de iniciar a resolução de problemas de conexão Wi-Fi, você precisa ter certeza de que o problema é realmente relacionado ao Wi-Fi. Como mencionado na introdução a este artigo, a maioria dos usuários não sabe a diferença entre um problema relacionado ao Wi-Fi, um problema de servidor DHCP, um problema de DNS, etc. Tudo o que o usuário sabe é que não pode se conectar à rede. Assim, a primeira etapa do processo de resolução de problemas é duplicar o problema e descobrir se o problema está na rede Wi-Fi.

A duplicação de um problema de conexão é um processo relativamente fácil e pode ser feito de várias maneiras:

1.

Você pode pedir às pessoas que se queixaram de não poder se conectar à rede que mostrem o problema que encontraram ou a mensagem de erro que eles receberam. Este método pode não fornecer muitos detalhes sobre a causa raiz do problema, mas permite que você confirme se realmente há um problema. Não só isso, mas se o dispositivo do usuário está realmente tendo problemas de conexão com a rede Wi-Fi, ter o dispositivo à mão irá permitir que você identifique problemas de configuração no dispositivo cliente ou erros de usuário. Afinal, a razão mais comum para problemas de conexão de rede não é a rede, mas erros de usuário ou simples problemas de configuração de rede Wi-Fi.
 

A.

Alguns dos erros de usuário mais comuns são:
 

i.  

Usuário tentando se conectar à rede errada - isso acontece muito em escritórios. O usuário poderia selecionar o SSID errado por engano ou o dispositivo do usuário poderia tentar se conectar automaticamente a um hotspot conhecido, que está muito longe para uma conexão bem-sucedida.
 

ii.

Usuário digitando as credenciais de segurança erradas - erros de digitação acontecem e são os principais motivos para este tipo de problema.
 

iii.

Usuário tentando se conectar a uma rede usando um dispositivo que não está autorizado – muito comum quando os certificados são necessários para obter acesso à rede ou em casos onde apenas dispositivos com endereço MAC específico podem se conectar à rede.
 

iv.

Usar um dispositivo obsoleto – o usuário pode ter problemas para se conectar a um SSID específico se o dispositivo cliente não suportar a banda de 5,0 GHz ou os canais estendidos.
 

B.

Alguns dos problemas de configuração de rede Wi-Fi mais comuns são:
 

i.  

SSID faltando - se o SSID que o usuário está tentando se conectar não está aparecendo, isso poderia significar que o SSID foi configurado para ser escondido por engano. Isso também poderia significar que há um problema real com a rede Wi-Fi, como cobertura insuficiente ou pontos de acesso que pararam de transmitir. Isso pode ser facilmente verificado, usando outros dispositivos para localizar o SSID ao qual deseja se conectar, e basta lembrar que o segundo dispositivo precisa estar fisicamente localizado na mesma área que o dispositivo com problema.
 

ii.

Endereço IP inválido - alguns, mas não todos os dispositivos de usuário, podem informar este detalhe, com aqueles que dizem que o dispositivo de usuário poderia se conectar e autenticar com sucesso na rede Wi-Fi, mas tiveram problemas para obter um endereço IP. Esse tipo de problema normalmente aponta para problemas de configuração do servidor DHCP como a causa raiz (por exemplo, não há endereços IP suficientes disponíveis). Ainda assim, também poderia acontecer se a conexão com a rede Wi-Fi estiver instável. Basicamente, as informações do endereço IP são corrompidas e não chegam ao dispositivo do usuário.
 

iii.

Endereço DNS inválido – se o dispositivo cliente diz que pode se conectar à rede Wi-Fi com êxito, mas não há conexão com a Internet, isso normalmente indica problemas de configuração no servidor DNS. Também poderia indicar problemas com o provedor de serviços de Internet.

Imagem 1: Exemplo de erro comum de conexão Wi-Fi para o dispositivo Android 1.

2.

Outra opção que lhe permitirá verificar se há problemas na conexão com a rede Wi-Fi é tentar conectar-se à rede usando outro dispositivo. Nesse caso, você poderia usar um dispositivo como aquele sendo usado pela pessoa que tem o problema, permitindo que você verificasse se há problemas de conexão com a rede Wi-Fi. Ou você pode executar um "teste de conexão" completo, usando uma ferramenta de teste Wi-Fi dedicada que lhe permitirá não só verificar a conectividade, mas também fornecer detalhes que irão ajudá-lo a se aproximar da causa raiz do problema. Por exemplo, algumas informações úteis que uma ferramenta de teste dedicada pode fornecer são:
 

a.

Status e tempo da conexão – isso ajuda você a verificar se pode se conectar a um ponto de acesso e quanto tempo levou. Problemas nesta fase irão provar que há realmente um problema de conectividade na rede Wi-Fi, que são normalmente causados por problemas de cobertura, interferência, baixo SNR, etc.
 

b.

Status e tempo da autenticação – isso lhe ajuda a verificar se você pode autenticar com êxito e quanto tempo levou. Problemas nesta fase significariam que a senha errada está sendo usada e, nos casos em que o WPA2-E estiver sendo usado, podem significar que o certificado errado está sendo usado. Um tempo de autenticação longo normalmente significa problemas com o servidor de autenticação, mas também pode ser causado por uma conexão Wi-Fi instável.
 

c.

Status do gateway e tempo de resposta - isso irá ajudá-lo a verificar se o dispositivo pode se comunicar com o gateway e ajudará a verificar a velocidade com que ele pode se comunicar.
 

d.

Status e tempo de resposta do DHCP – isso irá mostrar se o dispositivo foi capaz de obter um endereço IP, e com qual velocidade. Problemas nesta fase normalmente apontam para problemas com o servidor DHCP ou problemas de estabilidade na rede Wi-Fi.
 

e.

Status e tempo de resposta do DNS – isso irá mostrar se o dispositivo foi capaz de se comunicar com o servidor DNS e quanto tempo levou. Problemas neste ponto mostram que você pode se conectar com êxito à rede Wi-Fi, mas não poderá usar uma URL para acessar a Internet por causa de problemas com o servidor DNS.
 

f.

Destino encontrado – alguns dispositivos de teste permitirão que você verifique a conectividade com um destino específico. Pode ser uma URL ou um endereço IP. Isso pode ser usado para verificar a conectividade com recursos locais comumente usados ou a Internet.
 

g

Taxa de dados PHY da conexão - isso permitirá que você verifique a taxa de dados PHY, medida durante o teste de conexão. Baixas taxas de dados podem destacar problemas com a rede Wi-Fi e também podem destacar problemas de configuração desatualizada de pontos de dados ou dispositivos antigos.
 

h.

Taxa de repetição – isso normalmente fornece a porcentagem de quadros transmitidos que são quadros de repetição. Uma taxa de repetição maior que 20% provará problemas existentes com a rede Wi-Fi.

Imagem 2: Exemplo de resultados do teste de conexão com o NETSCOUT Aircheck G2.

Identifique a causa raiz

Depois de provar que os problemas de conexão relatados pelos usuários são causados por problemas com a rede Wi-Fi, é hora de identificar a causa raiz do problema. Os motivos mais comuns para os problemas de conexão Wi-Fi são:

  • Cobertura do sinal
  • Relação sinal-ruído
  • Dispositivos 802.11 legados
  • Segurança
  • Capacidade
  • Problemas com cabos

Cobertura do sinal

Má cobertura do sinal ainda é um dos motivos mais comuns para problemas da conexão de Wi-Fi. Afinal, se os dispositivos Wi-Fi não podem ouvir uns aos outros, também não poderão se comunicar. O problema é que há muitas coisas que podem afetar a forma como um sinal Wi-Fi se propaga pelo ambiente e, portanto, podem criar problemas de cobertura:

  • Perda (espaço livre) – a perda da força do sinal causada pela ampliação natural das ondas. À medida que o sinal vai mais longe, sua força se atenua.
  • Reflexão - quando uma onda atinge um objeto liso que é maior do que a própria onda; dependendo da mídia, a onda pode saltar em outra direção. A reflexão é uma grande motivo para o mau desempenho das redes 802.11a/b/g, uma vez que causa um efeito chamado multipath, que causa perda de força de sinal e erros de pacotes.
  • Refração - a flexão de um sinal de RF ao passar por uma mídia com densidade diferente, mudando assim a direção da onda. Isto ocorre mais geralmente ao ar livre, por causa das condições atmosféricas (vapor de água, mudança na temperatura de ar, mudança na pressão de ar). O sinal pode também sofrer refração por meio de certos tipos de vidros e outros materiais.
  • Difração - a flexão de um sinal de RF em torno de um objeto. É tipicamente causado por algum tipo de bloqueio parcial do sinal RF, como uma pequena colina ou edifício.
  • Dispersão – várias reflexões ocorrem quando o comprimento de onda do sinal eletromagnético é maior do que qualquer mídia que o sinal estiver refletindo ou passando. Isso acontece quando você encontrar superfícies desiguais, como cercas, malha de arame em paredes de estuque, terreno rochoso, etc, fazendo com que o sinal principal se dissipe ao ser refletido em várias direções, degradando assim a força do sinal.
  • Absorção – se um sinal não saltar de um objeto, mover-se ao redor do objeto ou passar por um objeto, então ocorreu 100% de absorção. A maioria de materiais absorverá certa quantidade de um sinal do RF a diferentes graus, causando a perda da força do sinal. Os piores infratores são paredes de tijolo, paredes de concreto e água.

Imagem 3: Exemplos de comportamento RF

Diferentemente do que a maioria das pessoas pensa, a cobertura do sinal do ponto de acesso não é a única coisa com que você precisa de se preocupar. Você também precisa levar em consideração a cobertura do sinal do dispositivo cliente. Afinal, se o ponto de acesso não puder ouvir respostas de um dispositivo cliente, a comunicação falhará.

  • Cobertura do ponto de acesso – a intensidade do sinal de um ponto de acesso, pela perspectiva do dispositivo cliente. Um sinal forte é necessário para garantir que os dispositivos cliente possam ouvir as mensagens enviadas pelos pontos de acesso.
  • Cobertura do ponto de acesso – a intensidade do sinal de um dispositivo cliente, pela perspectiva do ponto de acesso. Um sinal forte é necessário para garantir que o ponto de acesso possa ouvir as mensagens enviadas pelos dispositivos cliente.

Quanto à forma de identificar problemas de cobertura, há algumas opções simples:

  1. Solucionar problemas em uma área de problemas – solucionar problemas de cobertura em uma área de problema conhecida é muito simples. Você só precisa de uma ferramenta que lhe permita medir a intensidade do sinal dos pontos de acesso e dos clientes. Verificar a intensidade do sinal dos pontos de acesso na área de problemas permitirá que você confirme que todos os dispositivos cliente possam ver a sua rede. Enquanto isso, verificar a força do sinal do dispositivo cliente pela perspectiva dos pontos de acesso permitirá que você confirme que a comunicação pode ser feita. Observe que um motivo comum para problemas de cobertura do dispositivo cliente é pontos de acesso nos quais os níveis de energia foram elevados para níveis muito altos. Se a cobertura de um ponto de acesso for muito grande, então os dispositivos cliente na borda do intervalo de cobertura e com a potência de transmissão Wi-Fi mais fraca podem não ser capazes de falar de volta para o ponto de acesso, causando assim falhas nas tentativas de conexão.
  2. Pesquisa de local - outra opção muito popular é a pesquisa de um local inteiro, em vez de um único ponto, que é feito através da realização de uma pesquisa de local que lhe permitirá gerar uma representação gráfica ou heatmap de como sua rede Wi-Fi está executando. Há várias ferramentas disponíveis que lhe permitirão realizar uma pesquisa de local. Alguns deles fornecerão visibilidade básica em cobertura e interferência Wi-Fi. Enquanto isso, a mais avançada dessas ferramentas irá fornecer visibilidade em cobertura, níveis de ruído, SNR, taxas de dados, taxas de repetição, interferência Wi-Fi, interferência não de Wi-Fi e muito mais. Note que é altamente recomendável realizar uma pesquisa de local depois que uma nova rede Wi-Fi foi implantada e a alguns meses, depois disso. Isso permitirá que você verifique se a sua rede Wi-Fi está funcionando como projetada e permitirá que você identifique todas as alterações que possam causar problemas no futuro.

Problemas de cobertura são normalmente resolvidos adicionando mais pontos de acesso, usando antenas com maior ganho ou aumentando a potência de transmissão dos pontos de acesso. Tenha em mente que o aumento do poder também irá aumentar os níveis de ruído, portanto, é normalmente recomendado para ir com melhores antenas ou mais pontos de acesso.

Imagem 4: Exemplo de heatmap da força do sinal, criado com o NETSCOUT AirMagnet Survey Pro.

Relação sinal-ruído

Imagem 5: Exemplo de gráfico SNR.

A qualidade e a taxa de uma conexão dependem diretamente da relação sinal-ruído (SNR) que um dispositivo receptor detecta, incluindo pontos de acesso e clientes. Como descrito na seção anterior, a atenuação ou a perda de força do sinal acontece facilmente. À medida que o nível de sinal cai, o SNR cai, assim como a taxa de transmissão. Por exemplo, um dispositivo que está "muito longe" de um ponto de acesso pode ver a rede à qual ele quer se conectar, mas se o SNR for muito baixo, a qualidade da transmissão será tão ruim que não poderá se conectar com sucesso (um sinal "fraco, mas forte o suficiente" em um momento pode se tornar um sinal "muito fraco" no momento seguinte).

Outro fator que afeta o SNR é o piso de ruído, que pode ser definido como o nível de ambiente ou de fundo de energia de rádio em um canal específico. Esta energia de fundo pode incluir bits modulados ou codificados de rádios transmissores próximos 802.11 ou de energia não modulada que vem dos dispositivos não-802.11, tais como microondas, dispositivos de Bluetooth, telefones sem fio e assim por diante. Quanto maior o nível de ruído, menor será o SNR.

O pior cenário é quando você tem um sinal fraco e altos níveis de ruído; esta combinação fatal irá diminuir muito o seu SNR que, por sua vez, irá causar problemas de desempenho e conectividade. Ainda assim, identificar problemas SNR é muito simples; você só precisa de uma ferramenta que possa medir a força do sinal e ruído. Observe que, no passado, a maioria dos adaptadores Wi-Fi media níveis de ruído, mas não há muitos desses adaptadores atualmente, portanto você precisa adquirir uma ferramenta de resolução de problemas dedicada para fornecer essas informações. Há muitas ferramentas para resolução de problemas Wi-Fi ou mesmo de pesquisas que podem fazer isso.

Quanto a como resolver problemas de conectividade causados por um SNR baixo:

  1. Melhore a cobertura da sua rede Wi-Fi e certifique-se de que tem uma intensidade de sinal que seja de, pelo menos, 20 dBm superior ao piso de ruído (para implantações de voz sobre Wi-Fi que precisem de força de sinal superior a 30 dBm).
  2. Baixe o piso de ruído em seu ambiente usando canais com baixo tráfego Wi-Fi e removendo dispositivos não-Wi-Fi que aumentam o piso de ruído nos canais Wi-Fi que você está usando. Em casos onde o dispositivo não-Wi-Fi que gera o ruído não possa ser movido ou desabilitado, você precisará reconfigurar seus pontos de acesso para que não usem canais com alto piso de ruído.

Imagem 6: Exemplo de nível de sinal, nível de ruído e medidas SNR coletadas pelo NETSCOUT Aircheck G2.

Dispositivos 802.11 legados

Dispositivos Wi-Fi mais velhos ainda estão por aí! Porém, não suportam as taxas de dados mais elevadas de hoje, portanto, ao se conectarem a uma rede Wi-Fi, transmitirão somente a taxas de dados mais baixas. E não só isso: um usuário pode usar um dispositivo legado que não suporta taxas de dados mais elevadas sem saber, o que pode ser um problema quando taxas mais antigas legadas, especialmente 802.11b, são bloqueadas da operação no ponto de acesso para preservar o precioso tempo de transmissão. Um dispositivo que suporta apenas estas taxas mais antigas não poderá se conectar à rede.

Outro problema é dispositivos mais antigos que não suportam a banda de 5,0 GHz. Muitas redes corporativas foram migradas para suportar apenas a banda de 5,0 GHz, já que existem mais canais disponíveis e menos interferência; portanto, em casos como este, dispositivos legados não poderão mais se conectar à rede Wi-Fi corporativa. Além disso, alguns dispositivos cliente mais antigos podem suportar a banda de 5,0 GHz, mas não todos os canais dessa banda. Por exemplo, muitos dispositivos mais antigos não suportam os canais DFS (freqüências compartilhadas com transmissões de radar) e, por isso, não poderão se conectar à rede.

Quanto a como identificar facilmente essas limitações, a maneira mais fácil é usar uma ferramenta que possa identificar os recursos de um dispositivo cliente. Algumas das informações que você deseja que a ferramenta selecionada forneça sobre dispositivos cliente são:

  • SSID – permite-lhe verificar a qual rede o dispositivo cliente está conectado, mas só está disponível quando o dispositivo estiver conectado a uma rede e é utilizado para verificar se o dispositivo cliente está conectado à rede correta.
  • Nome do ponto de acesso – permite verificar a que ponto de acesso o dispositivo cliente está se conectando e é muito útil quando você deseja se certificar de que os dispositivos cliente estão se conectando ao ponto de acesso mais próximo.
  • Taxa de conexão – fornece a taxa de dados de conexão sendo usada pelo dispositivo cliente. Ajuda a verificar as taxas máximas de dados suportadas pelo dispositivo cliente e, assim, determinar se o dispositivo tem alguma limitação de taxa de dados que poderia impedir a conexão à rede Wi-Fi.
  • Segurança – fornece informações sobre o tipo de segurança usado pelo dispositivo cliente e permite que você verifique a configuração de segurança do dispositivo cliente.
  • Tipo 802.11 – fornece informações sobre os tipos de 802.11 tecnologias suportados pelo dispositivo cliente. Isso ajuda você a verificar se o dispositivo cliente pode suportar as 802.11 tecnologias mais recentes e taxas de dados mais altas.
  • Banda – fornece informações sobre a banda usada pelo dispositivo cliente, o que permite verificar se o dispositivo cliente pode suportar bandas 2,4 GHz e 5,0 GHz.
  • Canal – fornece informações sobre o canal usado pelo dispositivo cliente. Alguns dispositivos cliente mais antigos podem não suportar todos os canais de 5,0 GHz.

As únicas soluções para este tipo de problema são atualizar o dispositivo do usuário para um que suporte a tecnologia 802.11 mais recente ou alterar a configuração em seus pontos de acesso, para que suportem as tecnologias mais antigas. Atualizar o dispositivo cliente seria a opção preferida, já que a adição de suporte para tecnologias 802.11 mais antigas poderia prejudicar o desempenho de novos dispositivos cliente.

Imagem 7: Exemplo de informações do dispositivo cliente coletadas usando o NETSCOUT AirMagnet WiFi Analyzer Pro.

Segurança

Segurança é ótima, mas gerenciar a segurança em pontos de acesso e clientes não é fácil. Qualquer incompatibilidade de senha, falta de certificado ou erro pode impedir que os dispositivos cliente se conectem.

Além disso, algumas redes são protegidas ao permitir que apenas determinados endereços MAC se conectem e autentiquem; portanto, se o endereço MAC de um dispositivo não estiver nessa lista, ele não se conectará com êxito.

Os pontos de acesso e os dispositivos cliente devem ter as credenciais de segurança apropriadas para se conectar com êxito, e erros na configuração dessas credenciais em qualquer ponta podem impedir que os usuários autorizados sejam autenticados.

Quanto à identificação de problemas de conexão causados por problemas de configuração de segurança, seguem algumas dicas:

  1. Se você estiver usando WPA-P ou WPA2-P em sua rede, a primeira coisa é verificar se a senha correta está sendo usada.
  2. Se você estiver usando WPA-E ou WPA2-E em sua rede, você deve começar por verificar se as credenciais corretas estão sendo usadas e se o dispositivo cliente tem os certificados necessários instalados.
  3. Se você estiver restringindo o acesso à rede apenas para dispositivos autorizados, usando seu endereço MAC, você também deve verificar se o endereço MAC do dispositivo cliente está na lista aprovada.
  4. Se você estiver usando WPA-E ou WPA2-E, e mais de um dispositivo está tendo o mesmo problema, então, nesse caso, você deve se certificar de que o servidor de autenticação ainda está acessível.

Depois de identificar o problema de configuração de segurança, você só precisa corrigir a configuração no dispositivo cliente, rede sem fio ou servidor de autenticação para resolver o problema.

Imagem 8: Exemplo de configuração de segurança em um dispositivo MAC OS.

Capacidade

Problemas de capacidade ocorrem quando você tem muitos dispositivos cliente que transmitem na mesma área ou quando há um ou mais dispositivos cliente gerando uma quantidade excessiva de tráfego (por exemplo, congestionamento de largura de banda). Problemas de capacidade também podem acontecer quando você tem:

  1. Interferência excessiva de co-canal – muitos dispositivos operando no mesmo canal. Por exemplo, não é recomendável ter mais de quatro pontos de acesso cobrindo a mesma área ao operar no mesmo canal.
  2. Redes de pontos de acesso subprovisionadas – não há pontos de acesso suficientes para lidar com a quantidade de dispositivos cliente disponíveis. É recomendável não ter mais do que 25 dispositivos cliente conectados em um único ponto de acesso, ao mesmo tempo.
  3. Desequilíbrios de carregamento do cliente – a maioria dos dispositivos cliente está se conectando ao mesmo ponto de acesso, em vez de distribuir a carga entre todos os pontos de acesso na área
  4. Interferência não-Wi-Fi - dispositivos que não usam a tecnologia Wi-Fi e geram um sinal de RF nas mesmas frequências irão aumentar a utilização do canal, reduzindo assim a capacidade do canal.

Isso pode levar a transmissões de cliente excessivas em um único canal e, assim, sobrecarregar o canal. Também é importante entender que não é simplesmente o número de clientes conectados em um canal que aumenta a carga nesse canal, mas quanto tráfego eles geram. Alguns clientes que transferem arquivos grandes ou fazem streaming de vídeo em alta definição podem elevar a utilização do canal.

Então, como você determina se um canal está sobrecarregado? Isso é feito medindo a utilização de um canal ou basicamente medindo qual porcentagem de um canal está sendo usado. Muitas ferramentas de resolução de problemas Wi-Fi dedicados e mesmo aplicativos fornecerão esta informação, mas a maioria deles fornecerá somente a visibilidade na utilização do Wi-Fi, que não pode ser suficiente para determinar o quanto os canais de Wi-Fi que você está usando estão ocupados. Portanto, a melhor maneira de medir a utilização com precisão é usar uma ferramenta de resolução de problemas Wi-Fi dedicada que fornecerá visibilidade sobre a utilização do Wi-Fi e não-Wi-Fi.

Imagem 9: Exemplo do gráfico de ciclo de tarefas do canal no Spectrum XT da NETSCOUT, comparando a utilização de Wi-Fi vs não-Wi-Fi.

Quanto à forma de resolver problemas de capacidade, aqui estão algumas dicas:

  1. Use o controlador do ponto de acesso para limitar quanta largura de banda cada dispositivo cliente pode usar. Isso ajudará a impedir que dispositivos cliente gerem uma quantidade excessiva de tráfego, afetando o desempenho da rede.
  2. Minimize a interferência de canal ajustando os canais automaticamente com o controlador de pontos de acesso. Se esta opção não estiver disponível no seu controlador, ajuste manualmente as atribuições de canal de ponto de acesso de tal forma que não haja dois pontos de acesso com sinais sobrepostos usando o mesmo canal.
  3. Mova todos os dispositivos possíveis para a faixa de 5,0 GHz, que tem mais canais disponíveis. Isso pode ser feito habilitando a opção de direção da faixa no seu controlador de ponto de acesso. Basicamente, quando você habilita essa opção, o controlador moverá os dispositivos cliente para a faixa 5,0 GHz e deixará a faixa 2,4 GHz para dispositivos legados.
  4. Ao planejar sua rede Wi-Fi, certifique-se de que você irá instalar pontos de acesso suficientes para suportar o número máximo de usuários que você espera, e lembre-se que, embora muitos pontos de acesso suportem mais de 100 conexões de cliente simultâneas, é recomendado limitar a quantidade de conexões simultâneas para 25 ou 30 clientes por ponto de acesso. O número de clientes simultâneos dependerá da largura de banda disponível e da largura de banda que você pretende fornecer a cada usuário.
  5. Certifique-se de habilitar a opção "balanceamento de carga" no seu controlador de ponto de acesso. Isso permitirá que o controlador distribua a carga do dispositivo cliente entre pontos de acesso. Dessa forma, a maioria dos clientes não se conectará ao mesmo ponto de acesso.
  6. Use um analisador de espectro para detectar, identificar e encontrar quaisquer fontes de interferência não-Wi-Fi. Você também pode usar o analisador de espectro para identificar os canais afetados pela interferência. Depois disso, se possível, remova ou desative o dispositivo de interferência e, se não for possível, certifique-se de que seus pontos de acesso usam um canal que não está sendo afetado pelo dispositivo de interferência.

Problemas com cabos

Cada ponto de acesso sem fio tem uma conexão de backhaul à rede, quase sempre Ethernet. A conexão Ethernet do ponto de acesso à rede é um link vital na cadeia de conectividade geral. Mesmo quando um dispositivo cliente se conecta à WLAN, serviços básicos com fio, como DHCP e DNS, ainda serão necessários para acessar a maioria dos recursos. Alguns dos problemas mais comuns em redes com fio que irão causar problemas de conexão Wi-Fi são:

  1. Acesso aos serviços DHCP e DNS - conforme mencionado nas seções anteriores deste documento, problemas com serviços DHCP ou DNS farão com que o usuário pense que não pode se conectar à rede Wi-Fi. Se o servidor DHCP não estiver acessível, o dispositivo cliente do usuário não obterá um endereço IP. Se o servidor DNS não estiver disponível, o dispositivo cliente do usuário não acessará um site através de sua URL.
  2. Conectividade WAN - a conexão com a rede Wi-Fi pode parecer inativa para o usuário se a conexão WAN com a Internet não funcionar. Isso pode ser causado por problemas de roteamento simples, por exemplo, um cabo Ethernet conectado a uma porta LAN em vez de uma porta WAN, a interface WAN exigindo um endereço IP estático ou as credenciais de protocolo ponto-a-ponto sobre Ethernet (PPPoE) que necessitam ser inseridas no modem do seu provedor de serviços de Internet.
  3. Energia do ponto de acesso - os pontos de acesso mais modernos são executados com Power over Ethernet (PoE). Se a energia disponível no comutador cair ou se o PoE errado for configurado, o desempenho do ponto de acesso pode sofrer dramaticamente. Isso pode causar problemas de conexão Wi-Fi, fazendo com que usuários finais pensem que o Wi-Fi não está funcionando.

Então, como você determina se o problema está no lado cabeado da rede? A maneira mais fácil é usar uma ferramenta de resolução de problemas Wi-Fi dedicada, para executar um teste de conexão. Como mencionado anteriormente neste documento, um teste de conexão permitirá que você identifique qual parte do processo de conexão está falhando. Por exemplo, as falhas durante as etapas de conexão ou autenticação apontariam para um problema de conexão Wi-Fi (conforme descrito anteriormente neste documento). Ou falhas durante as etapas DHCP ou DNS apontarão para problemas com os serviços no lado cabeado da rede. Adicione a isso uma etapa para permitir que você verifique a conectividade a um website externo, para confirmar se você tem problemas da conectividade da WAN. Por último, também recomendamos ter disponível uma ferramenta que irá ajudá-lo a verificar PoE e a conectividade no lado cabeado da rede. Ferramentas como essa permitirão que você meça a quantidade de energia indo ao ponto de acesso e que você execute um teste de conexão no lado cabeado da rede para identificar rapidamente problemas com serviços DHCP ou DNS.

Imagem 10: Exemplo do teste de Ethernet com o NETSCOUT AirCheck G2.

Quanto à forma de resolver problemas de conectividade Wi-Fi causados por problemas com fio, aqui estão algumas dicas:

  1. Verifique a configuração ou seu servidor DHCP ou DNS.
  2. Verifique a configuração do seu comutador Ethernet e da VLAN que está sendo usada. Isso inclui a configuração de PoE e você precisa certificar-se de que ela corresponda aos requisitos de energia do ponto de acesso.
  3. Verifique o cabeamento, certifique-se de que não haja rupturas no cabo e certifique-se de que todos os conectores foram instalados corretamente.
  4. Certifique-se de que seus cabos Ethernet não estejam mais do que 328 metros, que é o limite para Poe. Se seus cabos forem maiores, a potência recebida pelos pontos de acesso será menor do que a esperada.
  5. Certifique-se de que seu comutador PoE não esteja sobrecarregado. Cada comutador tem limitações de energia de saída, por isso, se você tentar ligar muitos dispositivos ao mesmo tempo ou se vários dispositivos de alto consumo de energia estiverem conectados a um único comutador, este pode não ser capaz de gerar a saída de energia necessária para seus pontos de acesso (mesmo se configurado corretamente).

Conclusão

Conclusão: problemas de conectividade Wi-Fi não devem ser difíceis de solucionar. Com as ferramentas certas e um pouco de conhecimento, você poderá resolver problemas de conectividade Wi-Fi de forma rápida e fácil. A NetScout se esforça para fornecer as melhores ferramentas de resolução de problemas Wi-Fi no mercado, que vão desde ferramentas de pesquisa para lhe ajudar a ganhar visibilidade sobre como sua rede Wi-Fi está operando, até software ou ferramentas portáteis de resolução de problemas que permitem executar testes de conexão, identificar fontes de interferência não Wi-Fi, testar o lado cabeado da rede e muito mais!

1 Android é marca registrada do Google Inc.

© 2018 NETSCOUT SYSTEMS, INC. Todos os direitos reservados. NETSCOUT e o logotipo NETSCOUT, são marcas comerciais ou marcas registradas da NETSCOUT SYSTEMS, Inc., e/ou suas subsidiárias e/ou afiliadas nos EUA e/ou outros países. Todas as demais marcas e nomes de produtos, marcas comerciais registradas e não registradas, são de propriedade única de seus respectivos proprietários.

 
 
Powered By OneLink