O impacto das redes sem fio 802.11ac sobre técnicos de rede
| Notas de Aplicativo |

O impacto das redes sem fio 802.11ac sobre os técnicos de rede

O padrão 802.11ac traz oportunidades para proporcionar alto desempenho e capacidade de dispositivo final em redes sem fio. Isto permite que a rede da empresa suporte a variedade crescente de dispositivos finais sem fio, como BYODS (Bring-Your-Own Devices), smartphones, tablets e novas gerações de dispositivos máquina a máquina (M2Ms) e IoTs (Internet das coisas). Este white paper discute importantes aprimoramentos que o 802.11ac traz para a rede, os desafios ao fazer a transição para 802.11ac e como a equipe de operação de rede pode se preparar para superar estes desafios.

Sumário executivo

Com a popularidade do BYOD na empresa, projetistas de rede esperam que cada cliente de rede tenha até 3 dispositivos conectados à rede, sendo os mais comuns smartphones, tablets e computadores. Com a recente popularidade de dispositivos de segunda geração de M2M ou IoT, e com a perspectiva de BYOT (Bring Your Own Thing) ocorrer na rede da empresa, a relação cliente-dispositivo final deve subir para 5 até o final do ano 2022. Há uma crescente demanda por maior densidade de dispositivo final com distribuição fluida por causa da natureza móvel do dispositivo final sem fio. Os perfis de tráfego também estão mudando, pois costumávamos esperar que o tráfego de download fosse maior do que o de upload. Agora, os smartphones e tablets constantemente enviam/recebem e-mails, enviam pings para manter a conexão e têm aplicativos que sincronizam fotos, vídeos e arquivos com armazenamento em nuvem. IoTs (por ex., câmera de segurança) podem enviar transmissão de vídeo continuamente para a nuvem. Além disso, dispositivos móveis continuamente autenticam e sincronizam durante o roaming, exigindo alterações ininterruptas de roaming de um ponto de acesso (AP) a outro. Tudo isso atinge a rede da empresa assim que o dispositivo final com Wi-Fi habilitado entra em um edifício e se conecta à rede de Wi-Fi. A rede de Wi-Fi 802.11ac é a plataforma mais nova para atender a essas crescentes necessidades com grande aprimoramento de capacidade e taxa de transmissão. Para alcançar o potencial, a equipe de operação de rede precisará aumentar suas habilidades ao planejar, implantar e manter a rede sem fio 802.11ac.

Para atender às necessidades do usuário de continuar conectado a vários dispositivos, planejar uma banda larga suficiente para fluxo para cima e para baixo é essencial. Isso significa que será preciso planejar a capacidade e a taxa de transmissão, não apenas a cobertura. As ferramentas de planejamento e pesquisa de RF, como o AirMagnet Planner e o Survey Pro da NETSCOUT, ajudarão e simplificarão o projeto e a validação da implementação de redes 802.11ac para garantir que não apenas a cobertura, mas também a capacidade, sejam projetadas desde o início.

Quando essas velocidades maiores estiverem disponíveis, será importante que sua infraestrutura atual seja revista e que seja criado um plano para conexões com fio de maior velocidade para APs 802.11ac, juntamente com melhores recursos de Power over Ethernet (PoE) capazes de atender aos requisitos da 802.3at ou 802.3af. Além disso, com o uso de múltiplos SSID por AP para segregar tráfego, tais como aqueles de usuários Convidados e Corporativos, o fornecimento de várias VLANs nas redes de comutadores precisa ser cuidadosamente mapeado e mantido.

Testes pós-instalação também deverão ser feitos na rede sem fio. Considerando-se os ganhos em velocidade esperados da 802.11ac, será importante verificar a velocidade e taxa de transmissão realmente obtidas na rede sem fio quando estiver carregada com tráfego de usuário. A 802.11ac amadureceu rapidamente e não é atípico que um usuário traga seus dispositivos 802.11ac para o ambiente de trabalho para criar uma conexão sem fio conveniente para o seu notebook ou enviar dados para a nuvem a partir do seu dispositivo IoT. Isso pode causar uma grande falha de segurança, permitindo potencialmente que agentes externos se conectem a este AP não autorizado ou disparem um ataque DDoS a partir dos dispositivos IoT baseados em nuvem. Portanto, é crucial que todos os dispositivos que você usar para detectar APs falsos possam detectar aqueles com suporte para 802.11ac. A maioria, se não todas, das medidas discutidas acima pode ser executada com facilidade e rapidez, usando uma ferramenta portátil como o OneTouch AT Network Assistant da NETSCOUT, que faz essas medições pela perspectiva de um cliente com rede com fio e sem fio, assim economizando tempo e dinheiro.

O que a 802.11ac pode oferecer?

O padrão 802.11ac IEEE foi projetado para operar exclusivamente na banda 5 GHz com mais canais não sobrepostos disponíveis, que podem proporcionar, potencialmente, taxas de redes de dados de três a mais de seis vezes mais rápidas do que as redes anteriores 802.11a e n. Os produtos 802.11ac conseguem isto através da evolução das tecnologias 802.11n, em vez de uma revolução na tecnologia. A maioria dos equipamentos 802.11ac disponíveis no mercado hoje é Onda 1, oferecendo apenas avanço evolutivo em recursos, como mostra a seguinte tabela:

Recursos 802.11n* 802.11ac Onda 1* 802.11ac Onda 2+
Recursos de 802.11n versus 802.11ac
*: Estes são recursos normais de equipamentos 802.11n e 802.11ac Onda 1
Bandas de frequência operacional 2,4 GHz e 5 GHz de 5 GH de 5 GH
N.º máximo de antenas de transmissão e recepção 4 4 8
Fluxos espaciais 3 3 4 a 8
Máximo de ligações de canais 40 MHz 80 MHz 160 MHz
Modulação de transmissão 64 QAM 256 QAM 256 QAM
MIMO Usuário único 3x3 Usuário único 3x3 Multiusuário 8 x 8

Produtos de Onda 1 802.11ac prometem proporcionar taxas de dados de 1,3 Gbps. Mas para que esta taxa seja atingida, é preciso que tanto o cliente quanto o AP operem com pelo menos três fluxos e se comuniquem acima de 80 Hz ou com ligação de canal mais ampla, como exibido abaixo. Simplesmente progredir para a rede 802.11ac não garante maior taxa de transferência. Do mesmo modo, quando Onda 2+ APs estão disponíveis, o cliente precisa ser capaz de suportar MU-MIMO para Onda 2+ APs para obter o ganho em velocidade, bem como otimizar o uso do tempo de tráfego disponível.

802.11n 802.11ac
Dispositivo/fluxos 20 MHz Ligação de canal
40 MHz
40 MHz Ligação de canal
80 MHz
Velocidade de dados de 802.11n x 802.11ac
Smartphone (um fluxo) 72 Mbps 150 Mbps 200 Mbps 433 Mbps
Tablet (dois fluxos) 144 Mbps 300 Mbps 400 Mbps 866 Mbps
Notebook (três fluxos) 216 Mbps 450 Mbps 600 Mbps 1300 Mbps

A 802.11ac deve ser compatível com outro padrão prévio de 5 GHz Wi-Fi (802.11a e n). Isto significa que os clientes “a” e “n” ainda poderão se conectar aos APs que migraram para 802.11ac. Contudo, há um custo associado a isto. Quando houver clientes de 802.11a/n na rede sem fio, as velocidades dos clientes 802.11ac serão reduzidas para a/n quando clientes mais lentos estiverem monopolizando o tempo de tráfego disponível enquanto estiverem transmitindo. Também é importante observar que sempre que um cliente com Wi-Fi ativado estiver na rede, ele procurará por redes Wi-Fi. Este simples ato realizado pelo cliente Wi-Fi sempre volta primeiro à velocidade mais baixa possível e, inadvertidamente, monopoliza tempo de tráfego valioso durante o processo, mesmo se não estiver conectado à rede Wi-Fi. Conhecer quais tipos de AP e clientes há nas mesmas bandas de canal ou em bandas adjacentes ajudará a compreender o que pode interferir no desempenho da rede e oferecer insight útil.

A rede sem fio 802.11ac opera apenas em frequência sem licença de 5 GHz e acredita-se ser mais robusta, pois não está sujeita à interferência que perturba a banda de 2,4 GHz causada por Bluetooth, fornos micro-ondas, câmeras de segurança analógicas sem fio, etc. Entretanto, as novas gerações de dispositivos sem fio, tais como telefones e IoTs de 5,8 GHz, que também operam na mesma banda de 5 GHz, já começaram a surgir. O radar será um ponto a se considerar ao escolher canais em alguns países onde eles transmitem na faixa dos 5 GHz. É importante ter visibilidade do ambiente de RF durante e após a implementação para assegurar que a banda de RF de 5 GHz não obstrua a rede Wi-Fi.

Como a 802.11ac afetará os técnicos de rede?

A 802.11ac já se tornou o padrão de fato de Wi-Fi para implementação. Como visto acima, a 802.11ac traz novas expectativas e tem suas próprias limitações. A equipe de operação de rede precisa sincronizar o conhecimento, como configuração, autorização, cobertura e expectativa de desempenho, entre um engenheiro e um técnico de rede quando a rede 802.11ac for implementada. Engenheiros e técnicos de rede precisam compreender as características únicas da 802.11ac, como ligação de canal, fluxos espaciais e bandas de canal, bem como os critérios de aprovação/rejeição para a aplicação principal e parâmetros de desempenho de rede, para que eles possam ser mais eficientes durante as seguintes tarefas:

Implementação e migração

  • Cobertura e conectividade
  • Comportamento de sondagem
  • Saúde e interferências de RF

Taxa de transferência e disponibilidade do serviço

  • Recurso da rede com fio e fornecimento de serviço
  • Acessibilidade e desempenho de vários APs

Segurança

  • Dispositivo falso, tal como AP com segurança aberta ou AP não autorizado usando a SSID da empresa
  • Documentação de AP e dispositivos finais que são autorizados

Implementação e migração

Cobertura versus conectividade

A 802.11ac é executada exclusivamente em bandas de frequência de 5 GHz que têm um número maior de canais não sobrepostos disponíveis. A maioria das implementações de 802.11ac é otimizada para maior densidade e disponibilidade de dispositivo final ao agrupar mais pontos de acesso 802.11ac que estejam em proximidade maior uns com os outros do que APs de Wi-Fi mais antigos. Isso permite que as redes Wi-Fi a serem solidificadas no futuro suportem a crescente relação dispositivo final e cliente e evita a necessidade de recabeamento. Além disso, a potência de sinal dos APs pode ser sintonizada para reduzir a interferência com APs adjacentes. É importante validar a área de cobertura após a implementação e a característica de roaming de dispositivos móveis finais para aplicações que requerem alta disponibilidade e mobilidade do usuário.

América Europa
Faixa Canais de 20 MHz disponíveis 20 MHz 40 MHz 80 MHz 160 MHz 20 MHz 40 MHz 80 MHz 160 MHz
Disponibilidade de canais
UNII-1 36,40,44,48 4 2 1 1 4 2 1 1
UNII-2 52,56,60,64 4 1 1 4 2 1
100.104.108
112.116.120
124.128.132
136.140
11 5 2 1
UNII-3 149.153.157
161.165
5 2 1
Número de canais sem sobreposição 13 2 1 1 19 9 4 2

Além disso, os arquitetos de Wi-Fi considerarão a alocação e o gerenciamento de canal para determinar a largura máxima do canal a ser usada. É comum para um projetista usar ligações de canal de 40 MHz e mesmo canais de 20 MHz em uma área de alto tráfego e de alta densidade de dispositivo final onde o tempo de tráfego por cliente for de qualidade superior. Ligações de canal de 80 MHz ou 160 MHz serão reservadas exclusivamente em uma área na qual uma alta taxa de transferência for essencial. É essencial realizar uma análise sobre o ambiente de RF para validar a melhor seleção de canal em relação ao posicionamento de AP antes e após a implementação. Também é importante quando um técnico de rede soluciona a reclamação do cliente referente a mau desempenho, para ter a habilidade de validar não apenas se o dispositivo final pode se conectar à rede Wi-Fi, mas a largura do canal que o AP conectado pode oferecer, e o número de fluxos espaciais que o dispositivo final usa.

Para assegurar uma boa rede sem fio e um bom projeto, use uma ferramenta de planejamento e análise de rede sem fio (ou seja, AirMagnet Planning e Survey Pro) para colocar pontos de acesso e atender às capacidades dos usuários e das taxas de dados. Observe ao projetar para a capacidade do usuário; planeje 3 a 5 dispositivos por pessoa, embora a maioria dos dispositivos finais, BYOD e IoT possa suportar apenas uma antena ou fluxo espacial.

Com a complicação de ter várias tecnologias de 802.11 em uma rede sem fio, é também útil ter ferramentas móveis portáteis, como OneTouch AT Network Assistant da NETSCOUT ou o AirCheck G2, que podem ser levadas para verificar rapidamente uma rede sem fio no local. Durante a solução do problema: verifique a conectividade; a largura de ligação de canal suportada por cada AP; e determine quais níveis de desempenho 802.11ac os clientes podem obter. Por exemplo, para realizar taxa de transferência de >500 Mbps, tanto os APs 802.11ac quanto o dispositivo final deverão suportar três fluxos espaciais e uma conexão de canal de 80 MHz. Se os clientes estiverem conectados usando 802.11a, eles não só terão velocidades mais lentas, mas também tornarão as conexões de outros usuários mais lentas.

O OneTouch AT pode descobrir APs 802.11ac e fornecer detalhes do AP: tais como a classificação de APs .11ac por status de autorização, SSID suportada, força do sinal e ruído, descobrir clientes associados e detalhes do cliente e os canais de 2,4 e 5 GHz usados. Ferramentas avançadas como localizar ou conectar a um AP 802.11ac, e até mesmo capturar quadros de gestão e controle de 802.11ac.

Verificar a capacidade de estabelecer links e obter acesso à rede é uma parte importante da resolução de problemas de conectividade. O OneTouch AT pode se conectar a redes e pontos de acesso 802.11ac. Além desta tela de resultados, um registro completo do processo da conexão é mostrado na guia LOG, o que torna fácil identificar em que parte do processo de associação, autenticação ou endereço IP o problema se encontra.

O OneTouch AT informará todos os clientes associados a um AP de 802.11ac que ele visualizar. Ele oferece informações detalhadas do cliente, incluindo o n.º de fluxos suportados e a largura do canal usado, fazendo com que seja fácil detectar problemas de conectividade e desempenho do cliente.

Análise de roaming

Devido ao número crescente de dispositivos BYODs e IoTs na rede da empresa, o roaming ininterrupto entre pontos de acesso sem fio é aceito hoje como um requisito do dia a dia. Além disso, muitos aplicativos que incluem dados, voz e vídeo e que são executados nestes e em outros dispositivos móveis dependem de uma conexão de rede persistente; mesmo uma perda momentânea dessa conexão pode interromper a comunicação e ter um impacto negativo na produtividade de um usuário. O teste de roaming de Wi-Fi com limite ajustável de roaming pode simular uma experiência de roaming do dispositivo final ao se mover de um AP para outro AP dentro da mesma rede. Isso serve como verificação rápida de uma zona morta dentro da área de cobertura.

Em uma situação mais avançada, os detalhes da transação de roaming dos clientes, inclusive PCs, telefones e outros dispositivos móveis, devem ser examinados em termos de nível de sinal, ruído, número do canal e novas tentativas, uma vez que estas determinam se a cobertura, o congestionamento ou a interferência da rede são a causa de roaming de baixa qualidade. Esses parâmetros podem ser facilmente capturados por um técnico usando ferramentas portáteis como o OneTouch AT da NETSCOUT e informados aos engenheiros para análises avançadas usando o AirMagnet WiFi Analyzer.

O OneTouch AT fornece um sumário do estado da conexão Wi-Fi e da rede local. Os detalhes de roaming incluem AP, MAC, n.º do canal conectado, método de segurança e estatísticas de condição do tráfego da rede.

O OneTouch AT mantém um registro de cada evento de roaming durante uma inspeção. Se o roaming falhar, ele informa a causa da falha, como não encontrar nenhum AP correspondente para a SSID conectada. Isso pode ser uma indicação de uma zona morta de cobertura ou um AP que tenha ficado off-line.

Condição e interferências de RF

Todas as redes Wi-Fi, inclusive aquelas que operam com equipamentos 802.11ac Onda 1, operam em modo meio duplex. Mesmo com 802.11ac Onda 2+ AP, a não ser que os clientes possam suportar MIMO multiusuário, apenas um dispositivo final pode se comunicar com o AP em qualquer direção. Sendo assim, a presença de interferências de RF, seja de outros dispositivos Wi-Fi operando na mesma frequência ou fontes não 802.11, como telefone sem fio ou dispositivos IoT exclusivos, tem um impacto significativo na experiência do usuário da rede Wi-Fi. É importante para um técnico de rede conseguir ver o que há no(s) canal(is) de RF usado(s) pela rede e que pode interferir na operação. Ferramentas com hardware dedicado, como o AirCheck G2 e o OneTouch AT da NETSCOUT, são projetadas para detectar APs que não estejam transmitindo, bem como sinais que não sejam de RF 802.11 para revelar interferências ocultas que monopolizam a valiosa largura de banda. O OneTouch AT tem a habilidade única para identificar e localizar tipos comuns de interferências que não sejam de 802.11 para identificação e isolamento rápido de interferências.

O OneTouch AT mostra a largura de banda de todos os canais Wi-Fi tanto de 2,4 quanto de 5 GHz. O número de APs em cada banda, bem como os canais afetados pelas interferências que não sejam de 802.11 são destacados.

O OneTouch AT mostra como a largura de banda é utilizada para cada banda de canal, bem como o número de SSIDs, APs, clientes e interferências usando o canal.

O OneTouch AT tem uma capacidade única de identificar o tipo de interferência e como ela impacta a rede durante os últimos 90 segundos, para que seja mais fácil localizar e removê-la da rede.

Requisitos de capacidade e de potência de redes com fio

Com o aumento da capacidade e taxa de transferência em redes sem fio graças ao 802.11ac, vem a necessidade de assegurar que a rede possa suportar esta maior largura de banda. Uma auditoria de seus comutadores e roteadores deve ser feita para assegurar que os caminhos de rede dos APs do 802.11ac sejam capazes de fornecer múltiplas conexões Gigabit Ethernet para os serviços do cliente. Isso é especialmente importante quando a maioria dos APs dá suporte a várias SSIDs para proporcionar conectividade para vários tipos de usuários, tais como visitantes e funcionários. Para manter a segurança, um arquiteto de rede Wi-Fi pode contar com VLANs apropriadas supridas nos comutadores para segregar tráfego e impedir o acesso de visitantes a ativos corporativos críticos. Antes da implementação do Wi-Fi, essas configurações de VLAN devem ser verificadas de ponta a ponta para validar que os ativos reservados para realizar negócios da empresa estejam acessíveis apenas aos funcionários, e não aos convidados conectados às redes Wi-Fi para convidados.

A maioria das 802.11ac será alimentada por PoE para evitar adicionar o custo de instalar cabos de energia até os APs. Embora os APs 802.11ac sejam mais eficientes energeticamente do que outros APs tradicionais, as conexões de cabo do AP 802.11ac ainda requerem voltagem mais alta disponível a partir dos comutadores ou midspans 802.3at "PoE plus ou Tipo 2". Os técnicos de rede terão a tarefa de validar o tipo de PoE das portas do comutador. Durante a solução de problemas, isso é especialmente importante quando comutadores mais econômicos que não conseguem energizar toda a porta do comutador são implementados. Ferramentas de técnico, tais como o LinkRunner AT ou o OneTouch AT da NETSCOUT, oferecerem recursos integrados para validar a velocidade e a conectividade da rede, bem como a tensão e a voltagem PoE das portas do comutador que estarão conectadas aos APs.

O OneTouch AT pode ser configurado para se conectar diretamente a uma VLAN específica e verificar se ativos importantes são acessíveis. A configuração pode ser armazenada no perfil e retomada pelo técnico de campo para ser executada rapidamente. Isso é particularmente útil para validar o comutador fazendo provisão antes de implementar APs de Wi-Fi que dependem de complexa infraestrutura de VLAN.

A análise de caminho do OneTouch AT descobre comutadores na LAN entre o AP e o Gateway ou roteador e os identificadores de velocidade e configuração de VLAN de cada porta. Isso ajudará a isolar onde ele falhou em suportar as velocidades de 802.11ac e onde a infraestrutura de VLAN falhou em proteger os ativos corporativos.

Assegure o desempenho do link por cabo com o AP por meio dos testes de desempenho do OneTouch AT. Meça a taxa de transferência para cima e para baixo até 1 Gbps, bem como a perda e a latência.

É possível testar a conectividade por cabo e a capacidade PoE de APs 802.11ac com o OneTouch AT. Quando conectado à porta do comutador, ele executa, automaticamente, um teste que exibe o TruePowerTM disponível para os APs.

Taxa de transferência e disponibilidade de serviços

O objetivo final de projetar e instalar uma rede 802.11ac é atender à experiência requisitada pelo usuário quando ele está fazendo transmissão de vídeo, fazendo chamadas telefônicas por VoIP e fazendo upload/download de arquivos, e-mails, etc. A capacidade de medir o desempenho de rede de ponta a ponta seria uma grande vantagem para compreender o que está acontecendo no caminho entre o cliente e o servidor ou o aplicativo. Essas medições devem ser feitas da LAN até o núcleo da rede e, então, pelos links da WAN até os centros de dados e prédios de escritório remotos. A comparação entre os resultados da rede por cabo e Wi-Fi fornecerá informações valiosas para determinar se o problema é exclusivo da rede Wi-Fi.

Após esses testes serem feitos, os resultados devem ser examinados para verificar se a taxa de transferência e o tempo de resposta são bons. Esses testes variarão de rede para rede e do ponto de origem e de destino das medidas. O conhecimento dos critérios de aprovação/reprovação compartilhado pela equipe é fundamental para um diagnóstico e uma solução de problemas eficaz. Testar regularmente esses parâmetros de diversos clientes para diferentes serviços ajudará você a compreender o que é normal, tornando mais fácil detectar quando houver um problema. Se os resultados dos testes forem considerados bons e os clientes continuarem se queixando da resposta, então pode ser necessário capturar o rastreamento entre o cliente e o ponto de acesso (in-line) para dimensionar o problema para uma análise mais aprofundada pela equipe de aplicação ou por terceiros, como o fornecedor de serviço WAN.

Há testes de velocidade disponíveis no mercado, como o iPerf, que podem estimar a taxa de transmissão máxima que a ligação a um servidor pode suportar usando dispositivos padrões como um tablet ou um notebook. Mas esses testes não conseguem carregar verdadeiramente a rede pois são limitados pelo hardware. Ferramentas de teste com hardware de teste especializado, como o OneTouch AT da NETSCOUT, serão capazes de gerar uma carga muito mais alta para a rede, seja Wi-Fi ou com cabo, para explorar completamente qualquer problema que possa estar escondido enquanto a rede não está carregada.

Não há meio mais fácil de verificar a velocidade e a taxa de transferência da conexão dos aplicativos do que com o OneTouch AT. Diversos testes de aplicativos, inclusive FTP, e-mail, conectividade de vídeo e internet, podem ser incluídos em um perfil e, então, testados simultaneamente a partir de uma conexão por cabo e sem fio, proporcionando uma comparação direta entre os dois métodos de acesso.

O OneTouch AT tem a capacidade de fazer o teste da taxa de transferência através da conexão com ou sem fio para outro par OneTouch AT ou um LinkRunner AT. Este poderoso recurso permite que os técnicos de rede verifiquem, rápida e facilmente, as capacidades de taxa de transferência de tráfego até a rede principal, servidores e locais remotos.

Há situações em que nenhuma anomalia pode ser encontrada nos resultados de um teste de aplicativo ou de serviço, mas os clientes continuam se queixando da taxa de transferência e do tempo de resposta do aplicativo. O OneTouch AT tem a capacidade de se conectar em linha com o AP e a rede ou fazer uma conexão sem fio para coletar pacotes para dimensionar o problema e fazer uma análise mais aprofundada com uma ferramenta de análise de protocolos como o ClearSight Analyzer, que é um analisador centrado em aplicativos que dá respostas rápidas aos problemas de desempenho de aplicativos.

Segurança de rede

Há muitos roteadores sem fio 802.11ac para escritórios pequenos/domésticos disponíveis no mercado. Além disso, o crescente número de dispositivos IoT, tais como câmeras, pode finalmente encontrar o seu caminho para as redes empresariais. Infelizmente, eles também poderão causar uma grande violação na segurança da rede corporativa. Para assegurar que isto não aconteça em sua rede, um sistema de detecção de intrusão 24x7 (IDS) ou um sistema da prevenção de intrusão (IPS) capaz de detectar dispositivos 802.11ac não autorizados deve ser usado. Se um destes sistemas não estiver disponível, o técnico de rede pode usar uma ferramenta portátil sem fio, como OneTouch AT ou AirCheck G2, que pode descobrir dispositivos Wi-Fi e categorizá-los, além de localizar rapidamente dispositivos invasores. Se você tiver um sistema assim, a natureza portátil dessas ferramentas faz com que elas sejam ferramentas ideais para encontrar a localização física do dispositivo não autorizado.

O OneTouch AT também inclui uma descoberta de "ligação cruzada" exclusiva, que mostra a localização por cabo (porta/comutador) dos APs descobertos no lado sem fio da rede. Isto facilita a capacidade de desabilitar rapidamente o acesso à rede de dispositivos não autorizados.

Uma vez descoberto, um ponto de acesso 802.11ac pode ser fisicamente localizado com base em seu nível de sinal. Usando a função OneTouch AT Locate, você pode rastrear um dispositivo para mitigar uma ameaça à segurança ou encontrar um ponto de acesso para executar operações de movimentação, acréscimo ou alteração.

O OneTouch AT pode detectar e classificar pontos de acesso com suporte para 802.11ac, decodificando informações específicas em beacons. Os pontos de acesso 802.11ac descobertos são reportados na guia AP, bem como nas listas de rede, cliente e canal e marcados com um ícone 802.11ac. O 802.11ac é incluído na classificação de tipo de mídia, de modo que um usuário pode verificar a visibilidade de pontos de acesso 802.11ac detectados na lista de pontos de acesso descobertos. Isto pode ser usado para identificar, rapidamente, dispositivos não autorizados ou para revisar uma rede recentemente implementada com pontos de acesso 802.11ac.

Ao permitir que você rotule e nomeie APs conhecidos em sua rede, o OneTouch AT torna a detecção de dispositivos invasores rápida e fácil.

Resumo

Ao implementarem uma rede Wi-Fi 802.11ac, os técnicos de rede, os engenheiros e os gerentes de TI têm de planejar como implementarão e gerenciarão a rede em cada unidade. Muitas considerações serão feitas não apenas durante a implementação, mas também enquanto a rede evolui para acomodar mais dispositivos conectados. É essencial que a equipe de rede, especialmente os técnicos de rede menos habilidosos, possa acessar conhecimento atualizado sobre como a rede é configurada, e manter procedimentos de validação padronizados e critérios de aprovação/reprovação que possam ser adotados durante a implementação e a resolução de problemas. A NETSCOUT oferece uma família completa de soluções de teste que viabiliza um planejamento de rede Wi-Fi eficaz, testes padronizados e solução colaborativa de problemas por meio de dados de teste fáceis de serem compartilhados pela equipe de rede.

Sobre o OneTouch AT Network Assistant

O OneTouch™ AT Network Assistant é um testador de rede completo e automatizado para compreender o desempenho de rede ethernet e Wi-Fi gigabit do usuário final. Testes de par trançado, fibra óptica e Wi-Fi combinados resolvem incontáveis problemas de conectividade e a integridade da rede. Testes automatizados com análises de aprovação/reprovação aceleram a identificação dos problemas. Perfis de autoteste definíveis pelo usuário podem padronizar a solução de problemas e práticas de validação de desempenho e capacitar técnicos menos habilidosos a serem mais produtivos. Medição de desempenho de caminho de ponta-a-ponta por cabo e Wi-Fi até um peer remoto ou refletor documenta a conformidade com o SLA.
A análise de VoIP in-line permite a resolução de problemas de IP em tempo real e mede a qualidade das chamadas.
A captura de pacotes Wi-Fi e in-line agiliza a colaboração e a transferência do problema para níveis superiores.
A descoberta e análise fornecem visibilidade às redes por cabo e Wi-Fi. O teste detalhado do cabo ao servidor isola a causa principal do problema.

Para facilitar a visibilidade e a colaboração por parte da equipe de operação de rede, todas as ferramentas portáteis de teste da NETSCOUT compartilham um portal de resultado e de relatório chamado Link-Live. Este é um serviço gratuito baseado na nuvem que pode fazer upload de resultados de testes. Há busca de texto livre e contextual para resultados de teste com base em nome de comutador, endereços IP de dispositivos ou nome e hora. Durante a implementação da rede, um relatório de progresso pode ser gerado facilmente, mostrando as portas do comutador testadas a cada dia, sua velocidade de ligação e distribuição duplex, e resultados de teste de PoE. Durante a solução de problemas, resultados de testes anteriores de uma porta de comutador podem ser comparados em relação a resultados de testes atuais para uma rápida identificação de alteração.

 
 
Powered By OneLink